Com bioma em vista, Distrito Federal terá 120 mil árvores até 2021

No momento você está vendo Com bioma em vista, Distrito Federal terá 120 mil árvores até 2021
Desse grande montante, 40 mil serão ipês de múltiplas cores, símbolo da cidade (Foto: Bruno Cavalcanti/GPS Lifetime)

Idealizada como uma cidade-parque, o projeto da construção do Plano Piloto de Lucio Costa se caracteriza, entre outras coisas, pela harmonia entre espaços arquitetônicos com grandes áreas verdes e ambientes floridos.

É algo que pulsa em qualquer lugar da capital do país. Uma simbiose entre o concreto e o verde que o seu criador descreveu sendo “de prédios residenciais nascendo como da clareira de uma floresta”.

Assim, ao dividir o local em quatro escalas – residencial, monumental, gregária e bucólica -, o urbanista designou uma delas exclusivamente ao meio ambiente.

Esse regramento acabou influenciando na criação de mais de 30 parques para visitações em todo o DF, além de cerca de 1,5 milhão de árvores na região do Plano Piloto, de um total de cinco milhões, em todo o território distrital.

Entre as espécies mais comuns encontradas por aqui estão o jequitibá rosa, jequitibá vermelho, quaresmeira, jacarandá mimoso, jenipapo, jatobá, cagaita, angico, fisocalima, aroeira, copaíba, tarumã, angico e, claro, o ipê, árvore símbolo do “quadradinho” de todas as cores: roxo, branco e amarelo.

De acordo com dados da Novacap, em 2019, os viveiros da empresa produziram mais de 600 mil árvores no estoque, sendo 100 mil ipês. Em 2020, entre mudas iniciais e mudas em ponto de plantio, o número é superior aos 100 mil.

A meta de plantio para o biênio 2020/2021 do Departamento de Parques e Jardim da Novacap é de mais de 120 mil árvores, sendo 18 mil frutíferas e 40 mil ipês.

Crédito: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Desse total, duas mil mudas já têm destino certo: serão plantadas ao longo dos 11 quilômetros da Estrada Parque Taguatinga Guará (EPTG). “No plantio de 2021/2022 colocaremos espécies diversas, para atender a demanda de uma floresta urbana com suas peculiaridades e trazer os benefícios de termos uma das cidades mais arborizadas do mundo”, planeja Raimundo Silva, da Novacap.

Atenção especial

Para realizar o plantio das mudas desse bioma bem específico é preciso um cuidado todo especial. Desde uma boa cova, passando por adubação orgânica e química, e o mais fundamental: realizar a semeação no período chuvoso.

Detalhes que fazem com que elas resistam à seca e tenham crescimento rápido. “Eis a chave do sucesso para a muda pegar”, ensina Raimundo Silva.

O cultivo de todas essas espécies e muitas outras faz parte de projeto de pesquisa desenvolvido nos dois viveiros da Novacap. Um localizado próximo ao Núcleo Bandeirante, na Vila Cauhí, e outro no Setor de Oficinas Norte.

Um dos trabalhos realizados pela equipe do Departamento de Parques e Jardins da empresa é colher sementes das árvores, obedecendo um cronograma mensal.

“A coleta é feita nos espaços públicos da cidade. Temos o endereço certo e a data certa da coleta das sementes”, detalha Rodrigo Magalhães Menon, há 20 anos na equipe do Viveiro I da empresa.

Com informações do GPS Lifetime

Deixe um comentário