Filha do primeiro clone de Gir Leiteiro nasce no Distrito Federal

No momento você está vendo Filha do primeiro clone de Gir Leiteiro nasce no Distrito Federal
“O nascimento da Florida é a comprovação de que a reprogramação nuclear do processo de clonagem que gerou a Acácia foi bem sucedida”, afirma o supervisor do CTZL. (Foto: Breno Lobato/Embrapa)

A vaca Acácia da Cerrados TN, primeiro e único clone de Gir Leiteiro do programa de seleção da raça no Centro de Tecnologias em Raças Zebuínas Leiteiras (CTZL) da Embrapa Cerrados, obtido pela técnica de transferência nuclear há três anos teve uma filha.

A bezerrinha Florida da Cerrados, nasceu no dia 31 de agosto no CTZL, no Distrito Federal. Depois de uma gestação sem complicações para a mãe, a bezerra nasceu pesando 21 kg, está com boa saúde e é bem esperta.

“O nascimento da Florida é a comprovação de que a reprogramação nuclear do processo de clonagem que gerou a Acácia foi bem sucedida”, afirma o pesquisador Carlos Frederico Martins, supervisor do CTZL e coordenador da pesquisa, financiada pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) que busca melhorar a eficiência da clonagem e associá-la à produção de bovinos transgênicos biorreatores.

Acácia foi inseminada artificialmente com sêmen convencional (não sexado) do touro Gir Leiteiro PH Uísque, um premiado animal do rebanho de Paulo Horta, criador no Distrito Federal. O touro já é falecido, mas o sêmen está disponível em uma central de inseminação. O uso da técnica de inseminação artificial por tempo fixo (IATF), por sinal, é prática usual nas propriedades rurais.

“Tivemos sorte de ter nascido uma fêmea, já que as chances são de 50% para cada sexo quando se usa sêmen convencional”, diz o pesquisador, que também chama a atenção para a precocidade da mãe-clone: “A Acácia emprenhou com dois anos e três meses de idade, quando já tinha uma boa estrutura corporal. O normal para a raça Gir Leiteiro é que isso ocorra acima dos três anos”.

Além de observar o crescimento de Florida, cujo nome é inspirado no momento de floração dos ipês no Brasil Central (final de agosto e início de setembro), nos próximos meses, o pesquisador vai acompanhar a produção de leite de Acácia e verificar se o potencial genético se assemelha ao da vaca que a originou.

Florida poderá participar do programa de melhoramento genético do Gir Leiteiro conduzido no CTZL caso expresse potencial genético elevado para produção de leite quando se tornar uma novilha. “Nossa expectativa é de que depois do ponto crítico da clonagem, todas as proles sejam férteis”, afirma Martins. O animal poderá ser inseminado artificialmente, ter ovócitos fertilizados in vitro ou, até mesmo, participar de testes de clonagem.

Clonagem por transferência nuclear

Acácia da Cerrados TN (sigla para transferência nuclear), nascida em agosto de 2017, é clone da vaca Gir Leiteiro Calidora, pertencente ao rebanho do CTZL. O animal clonado foi obtido a partir de fibroblastos epiteliais de Calidora (doadora), tendo sido gestado por Janela (receptora), uma vaca mestiça. Na época, um exame laboratorial com amostras dos pelos dos animais apontou os mesmos pares de alelos nos DNAs de Calidora e Acácia, confirmando a clonagem.

Na técnica de produção de clones por transferência nuclear, uma célula somática (como as do líquido amniótico) ou adulta (de gordura ou da pele, por exemplo) é fusionada a um ovócito enucleado, ou seja, cujo núcleo foi removido. Assim, o ovócito passa a se desenvolver com o núcleo da célula doadora, tornando-se um embrião que será posteriormente inserido em uma fêmea receptora (barriga de aluguel). Veja o esquema.

A técnica de clonagem por transferência nuclear a partir de fibroblastos da pele é a mais comumente usada em bovinos. No caso da pesquisa do CTZL, realizada em parceria com o Departamento de Biologia Animal da Universidade de Brasília, os fibroblastos foram obtidos da pele da base da cauda da Calidora, entre a vulva e o ânus. “É uma região que fica protegida do sol. Isso é importante porque evita mutações na epiderme provocadas pelos raios solares”, explica Martins.

Segundo aponta o pesquisador, a clonagem permite a seleção e a multiplicação de animais com características de interesse econômico.

“Buscamos formar um plantel de animais superiores nas raças Gir Leiteiro e Sindi para a produção de leite, e essa técnica reprodutiva possibilita a continuidade, por meio dos clones, de vacas de comprovado potencial genético”.

Com informações das Ascom Embrapa

Deixe um comentário