Os desafios do empreendedorismo feminino na advocacia

No momento você está vendo Os desafios do empreendedorismo feminino na advocacia
Deborah Toni lidera um escritório exclusivamente feminino e conta que sua trajetória inspirou e motivou outras mulheres. (Crédito: Magenta Agency)

O Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, comemorado na última sexta, dia 19 de novembro, representa uma data importante tanto para as mulheres quanto para o mundo dos negócios. A intenção é encorajar o público feminino a liderar seus próprios negócios e a relembrar as conquistas obtidas ao longo das últimas décadas. 

De acordo com a Global Entrepreneurship Monitor, o Brasil possui mais de 30 milhões de empresárias, atingindo 48,7% do mercado empreendedor. Estes dados mostram a importância do papel da mulher na economia.

Mas, voltando há menos de cem anos atrás, as mulheres ainda não tinham direito a voto ou a se divorciar no Brasil. Só que ainda assim, em pleno século XXI, é possível encontrar mulheres que não podem exercer plenamente os direitos fundamentais à liberdade, à educação e ao emprego. 

Para a advogada Deborah Toni, especialista em Direito Empresarial e Societário, ainda existem muitas barreiras a serem rompidas neste cenário, como preconceito, jornada múltipla, a falta de incentivo e o descrédito que homens colocam nas mulheres apenas pela questão do gênero. 

Apesar disso, é importante festejar esta data, pois ela valoriza o encorajamento de mulheres que ultrapassaram as barreiras do preconceito, das dificuldades naturalmente presentes em uma sociedade ainda muito machista e que desafiaram o “sistema” para empreender seus sonhos.

Deborah atua há doze anos no mercado jurídico – entre os quais dez integrou uma sociedade de advogados de renome. Ela conta que entendeu que havia chegado o momento de inaugurar seu próprio escritório. “Empreender já é algo naturalmente desafiador e, para perpetuar negócios, às vezes se faz necessário nadar contra a corrente, lutar contra o “sistema” e ser resiliente”, afirma. 

“Até então, nunca havia sentido na pele eventuais resistências por ser mulher – e que, hoje, me parecem acentuadas nesse mercado ainda muito masculino e conservador. Justamente por isso, tenho enorme orgulho por ter fundado um escritório de advocacia conduzido exclusivamente por mulheres. Sempre acreditei que juntas, poderíamos prosperar e causar a transformação que desejamos ver no mundo”, comenta.

Liderança feminina

Dados da pesquisa “Atitudes Globais pela Igualdade de Gênero” (em tradução livre do inglês) conduzida pela Ipsos, mostram que três em cada dez pessoas no Brasil (27%) admitem que se sentem desconfortáveis em ter uma mulher como chefe.

A resistência a mulheres líderes é maior entre os homens, alcançando 31% deles. Esse percentual no Brasil se iguala ao de países como Índia, Coreia do Sul e Malásia, lugares onde a aversão à liderança feminina é bem maior que a média mundial, de 17%, segundo estudo da Ipsos.

“Na corrida pela busca do meu espaço, não bastava ser excelente: era preciso provar, antes mesmo de uma contratação, o diferencial do meu trabalho. Foi, então, que comecei a escrever e a publicar artigos, a me projetar nas redes sociais por meio da publicação de conteúdos atualizados e de relevância, a reforçar os meus relacionamentos – como por meio da MOAI, maior rede de empresários do DF da qual sou membro – e, consequentemente, a ganhar a credibilidade do público”, conta a advogada, lembrando que “muitas mulheres me procuraram para dizer que sentiam orgulho da minha coragem, o medo de ousar em fazer o mesmo e, em especial, o quanto se sentiam representadas por mim.  Foi então que eu entendi que as mulheres, em geral, tinham uma capacidade maior de entender o que o escritório significa para mim. Simboliza luta, superação, resiliência, fé, coragem – e a certeza do sucesso de que empreendeu seus sonhos e propósitos porque acredita em ideais”, conclui. 

Sobre a MOAI – Fundada em 2016, a MOAI surgiu com o propósito de apoiar empreendedores no crescimento de seus negócios por meio da troca de experiência prática. A empresa acredita que nada nada é mais valioso a um empresário do que a experiência prática de outro empreendedor. 

Aprender com erros e acertos, além de unir esforços, potencializam resultados. Para isso, a equipe da MOAI desenvolveu uma metodologia própria para a condução de Conselhos Estratégicos entre empreendedores, nos quais é possível ir a fundo nas tomadas de decisões mais críticas e acompanhamento mensal de todos os seus desafios. Além disso, é oferecido conhecimento, conexão e oportunidades por meio de eventos e ações direcionadas. Atualmente, a empresa conta com mais de 420 empreendedores reunidos em torno deste propósito: crescer os negócios e gerar um impacto positivo no mundo.

Deixe um comentário